Novo Normal – Bem-vindo ao Caos

Uma batalha dupla: negócios lutam para sobreviver no cenário atual e ainda precisam manter os olhos no futuro

Não sei se já ficou claro pra você, mas em meio a essa pandemia a única certeza que todos nós temos é a de que as regras de sucesso de praticamente todos os negócios vão mudar. Mas por que ser tão drástico? O que fez companhias tradicionais como a Copa Airlines, afirmarem que vão retomar o negócio com a mesma estrutura que tinham 28 anos atrás?

Como podem alguns meses transformarem histórias e conquistas humanas que custaram anos? Por que a falta de fluxo de caixa nesse período pode destruir anos de negócios que atuaram com muita consistência e alto desempenho?

Bom, uma série de vetores estão atrelados a essas consequências, mas muito disso parte da análise de que a realidade de todas as pessoas do mundo mudou. Partindo-se do pressuposto, por exemplo, de que a grande massa da população brasileira é formada por trabalhadores autônomos, empreendedores individuais ou ainda desempregados (em crescimento neste momento), e que muitos destes não trabalham com reserva financeira, podemos ter certeza que o impacto vai chegar em todos nós, mais cedo ou mais tarde. Para que empresas poderosas tenham dinheiro, é sabido que a massa da população, em algum momento, alimenta esta cadeia.

O PONTO DE TRANSIÇÃO

Em uma economia onde grande parte da população está sendo pesadamente prejudicada, a retomada dificilmente será como uma virada de chave, onde tudo volta ao normal em poucos dias, e as pessoas simplesmente voltam a consumir como antes.

É aí que se encontra o ponto de transição que a sua empresa deve estar atenta. Todos nós queremos voltar a crescer. O que precisamos estar cientes é que isso vai acontecer sim, mas essa curva de crescimento não será com as mesmas práticas que tínhamos até então.

O crescimento vai passar por uma revisão do comportamento do público que atendemos. Tudo pode ser posto à prova. Será que a nossa oferta ainda vai satisfazer essas pessoas? Ou teremos que buscar novos benefícios para continuar relevantes? Será que o mesmo público que atendíamos será o nosso público ideal? Tudo pode ser colocado à prova.

A Bain Company faz provocações que gostaria de compartilhar com você, pois imagino que você esteja procurando redirecionar a energia dispensada na ansiedade e preocupação para focar em proatividade e condutas mais produtivos, como pensar o futuro:

Que “grande ideia” pode moldar nossa indústria e empresa para a próxima década?

Quais tendências foram impulsionadas?

Quais são as novas tendências que precisamos enfrentar?

Como o comportamento do cliente mudará?

Como a próxima geração de clientes que impulsionam nosso crescimento será diferente dos nossos principais clientes antes da pandemia?

Como as fronteiras dos negócios podem ser redesenhadas, à medida que as cadeias de suprimentos e os modelos operacionais são reconfigurados e o setor público redefine seu papel?

Como construímos adaptabilidade e resiliência em nossa estratégia e operações?

Quais formas de trabalho descobertas durante a crise que devemos preservar e desenvolver?

Como aumentamos a intensidade e a velocidade do nosso aprendizado à medida que navegamos na incerteza?

É tempo de questionamentos

Todas as perguntas citadas acima são potenciais gatilhos para despertar novas atitudes estratégicas nas empresas. O importante nesse momento de incertezas é se questionar.

Como toda forma de questionamento nesse momento é bem-vinda, gostaria de compartilhar com você uma das ferramentas de estratégia que aprendi em estudo recente na Columbia Business School em Columbia University. A Situation Analysis, ou traduzindo, a ferramenta da Análise de Situação é uma excelente ferramenta para direcionar e buscar melhor compreensão do ambiente que nossa empresa vive. Sob uma organização simples, ela desperta a busca e aprendizado profundo em 5 diferentes perspectivas.

Análise de Situação:

O mindset principal dessa ferramenta é que qualquer decisão que viermos a tomar daqui pra frente deve partir do estudo destas perspectivas externas e somente após esse domínio, torna-se relevante a análise da realidade interna da empresa. A verdade do mundo que vivemos está toda lá fora. 

Dependendo do porte da empresa, é preciso criar times internos e distribuir essa tarefa da Análise de Situação. 

Um mundo em mutação

Um dos grandes desafios nesse momento é que essas novas verdades que estamos tentando revelar estão se formando, ainda estão em mutação. Muitas delas, obviamente, estamos vivendo na pele hoje, como aumento do consumo online e interações diversas através da tecnologia. Mas o que quero chamar a atenção nesse estudo é que esse exercício merece uma dedicação e seriedade muito grande. Cada grupo deve buscar fontes confiáveis de informação para poder entender essas cinco perspectivas acima.

Grandes empresas e impérios antigos ruíram ao longo da história humana por não conseguirem enxergar a necessidade da mudança. Esse processo é muito bem explicado pela Sigmoid Curve, ou a “Curva S”. Se analisarmos o momento que estamos vivendo com o Covid-19 entra exatamente sobre este ponto.  A curva de sucesso dos nossos negócios precisa passar por uma transição urgente para mantermos o crescimento e a sobrevivência. Precisamos “subir” na nova curva de sucesso, mas para isso precisamos identificá-la.

E é justamente na leitura e levantamento de informações externas que temos os insights necessários para tomada de decisão que vai continuar mantendo nosso negócio próspero e relevante.

Hora de se reiventar

Foi num movimento assim que o Airbnb, uma empresa que cresceu com uma leitura de oportunidade de mercado e facilitou o acesso à hospedagens para as pessoas, hoje está passando por uma transformação sem precedentes.

A partir da sua plataforma online, que era totalmente dependente de experiências físicas através das estadias nas casas e apartamentos das pessoas, está pivotando um novo serviço, a comercialização de experiências online, como passeios, aulas de vinhos, bate papo com atletas, entre outros.

Nesse mesmo ritmo, uma empresa que tem chamado a atenção com um movimento ágil e disruptivo é a nossa conterrânea Startse, que possuía um modelo de negócio pré-covid 19 em que a esmagadora maioria da fonte de receita era dependente de eventos físicos. Agora eles têm dado passos incríveis e rápidos para construção e aplicação de aulas online em um curto espaço de tempo e já tem apresentado grande sucesso.

A parte mais interessante de tudo isso é que todos tiveram muito pouco tempo para tomar atitudes. Mas possuíam duas opções: esperar pra ver o que ia acontecer, assistindo os números despencarem para zero, ou tomar atitude de sobrevivência e se conectar aos novos tempos.

Temos visto que para alguns negócios a crise beneficiou, como aqueles mais ligados a serviços de consumo básico. Para outros foi questão de aplicação de novas tecnologias, com as áreas de ensino, que tiveram que migrar o formato de prestação de serviço para online para continuarem relevantes.

Porém, para alguns negócios, o Novo Normal precisará de mudanças muito mais disruptivas como os exemplos do Airbnb e da Startse. O que essas empresas que estão conseguindo se manter possuem em comum? A fidelidade ao seu core. O que está em mutação é o tipo da oferta. Airbnb ainda vende experiência, Startse ainda vende informação e conhecimento. A diferença agora é que estão todos focados no online.

Muitos caminhos e possibilidades vão aparecer nesse momento de transição. A dica que quero deixar é: procure antes de tudo fazer uma leitura do novo ambiente, a partir dele, olhar pra dentro e analisar que oportunidades podemos explorar a partir das nossas forças internas. Com certeza ainda assim terão gaps que precisarão ser desenvolvidos e recursos externos a serem buscados.

É aí que se concentra o esforço nesse momento. Entender onde direcionar a energia para continuar entregando valor, com benefícios relevantes ao mercado.

E a partir desse ponto, quando você tiver clareza do movimento a tomar, a dica é aplicar uma disciplina que já vinha em evidência nos últimos anos. Agora provavelmente o Growth Hacking será mindset e disciplina decisiva para pivotar a nova curva de crescimento.

O growth hacking pode ajudar a escalar a nova curva de retomada

Para quem não conhece o tema, vale o estudo. Trata-se de uma nova forma de adotar estratégias visando o crescimento acelerado de um negócio. Envolve estratégias com a realização de experimentos. As equipes elaboram hipóteses, verificam sua validade, fazem testes e, assim, descobrem brechas ou oportunidades que façam o negócio crescer de forma mais inteligente.

A sua empresa vai precisar de muita disciplina e mindset ágil para aplicar e escalar esse crescimento e, acima de tudo, muita persistência para superar as falhas. Mas a parte interessante é que esse método é todo baseado em análise de números e dados. Isso que torna ele tão atraente e importante. Não temos como construir algo novo sem testar. Mas iremos testar sempre baseado em números em desempenho, escalando os sucessos ou testando novas hipóteses.

Enfim, um novo normal começa a ser desenhado. É por isso que é hora de arregaçar as mangas, olhar pro mundo e encontrar a melhor forma de crescer a partir dos recursos que temos, aplicando novos recursos para continuar relevante, tudo isso de forma inteligente e ágil.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You May Also Like